Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


               Políticos mentem ou não são sinceros?
 
          Na “Aula Espetáculo”, em 10 de janeiro de 2013, promovida pela Academia Paraibana de Letras e a Procuradoria Geral do Estado, ocasião em que Ariano Suassuna recebeu a Medalha José Américo de Almeida, da PGE, dentre os espontâneos pronunciamentos desse imortal da APL, Ariano confessou: “Eu gosto de mentir. Quem não gosta?” A resposta da plateia, tomada de surpresa, foi uma estrondosa gargalhada. Esclareceu ainda Ariano que, ao contrário do que se diz por aí, também preferiria “falar pelas costas” a “dizer na cara”, tão somente para se afirmar como “corajoso e sincero”: “Comigo é assim, agradando ou não agradando”. Ariano questiona: “Por que desagradar? Melhor é evitar aborrecimento, briga e inimizade, “falando mal pelas costas e pedindo segredo”.
         Tudo isso faz lembrar, crônicas anteriores, definindo que a mentira não é “não dizer a verdade”, mas, apenas não ser sincero. Aliás, pode-se dizer uma sentença informativa que não é verdadeira, porque ela não corresponde a um fato da realidade. Por exemplo, o leitor tendo informado que viajaria a Pilar, mas não viajou. Então, quem informar positivamente sobre a dita e não realizada viagem estará sendo sincero, não mentindo, contudo afirmando uma coisa não verdadeira. O que significa que mentir é não ser sincero ou não usar de sinceridade.
         Nesse contexto lógico, Francisco Pereira da Nóbrega, no começo de uma das edições de “Vingança, Não!”, faz um paralelismo entre a virgem e o político. Escreveu ele que “quando a virgem afirma não, significa talvez; quando talvez, vale como se dissesse “sim”; e se diz “sim”, não é mais virgem... Por sua vez, se o político afirma “sim”, entenda-se “talvez”; quando promete “talvez”, será “não”; e se disser “não”, com certeza, não é político. Nas proximidades de eventuais campanhas eleitorais, essa lógica ajuda a discernir quem mente ao povo. Todos os políticos mentem ou não são sinceros? Os dois. Mas, sem generalização: alguns conseguem alcançar a sinceridade, a exemplo do Padre Ibiapina que não mentiu e foi santo e deputado...
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 27/07/2018
Alterado em 29/07/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php