Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                                   
                                    A San Martí, o libertador



          O Consulado Argentino, em Recife, através de luxuosos papéis, tem como especial convidado o Governador Ricardo Coutinho, por ocasião do “168º aniversário do Libertador Dom José de San Martí”. Se todos nós desejamos a tão preciosa liberdade, quanto merecimento a um cidadão para ser chamado, por vários povos, de “o libertador”. A Paraíba, por sua vez, tem se tornado simpática aos olhos dos argentinos: montou estratégias econômicas, aproveitando as conquistas vitoriosas do Mercosul; intensificou o turismo daqueles “nuestros hermanos”, com a Gol, favorecendo voos diretos João Pessoa - Buenos Aires – João Pessoa; e, para coroar esse relacionamento exitoso, firmou convênio com o Cônsul Alejandro Funes Lastra para professores e estudantes do Gira Mundo, deste Estado, conhecerem, de perto, a estrutura, o sistema e o funcionamento da educação, no país que, juntamente com  Cuba e Chile, deram exemplo de como universalizar a alfabetização a todos cidadãos e cidadãs.
          A América Latina, de colonização espanhola, é farta em ter líderes latinos que passaram além de suas fronteiras, na luta pela independência, contra a qual, os soldados espanhóis foram muito mais cruéis, trucidando “inconfidentes”, do que os portugueses a observarem nosso “grito de independência”, às margens do Ipiranga. Nesse cenário, o argentino San Martí foi além das fronteiras argentinas, também como protagonista da liberdade no Peru e no Chile, tornando sua pátria e esses vizinhos independentes do jugo colonizador.
          Na época, as lojas maçônicas eram ambiências desses idealistas libertários das colônias espanholas na América do Sul... Destaca-se também o revolucionário Simon Bolívar, companheiro de San Martí nessas lutas, a quem se deve a independência da Venezuela que, depois de tanto tempo, é ameaçada por forças alienígenas a ser, mais uma vez, invadida... A história se repete? Não, apenas a permanente cobiça sobre os países latinos, vítimas de golpe, atrai invasores das nossas riquezas e, sobretudo, do petróleo. Para isso, mídia, navios e aviões estrangeiros espiam nossos mares, matas e cultura, maquinando novamente matar o imortal San Martí.

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 17/08/2018
Alterado em 17/08/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php