Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


           Flávio Tavares, na Ata das nossas artes

          O pintor Flávio Roberto Tavares de Melo, mais conhecido pelo nome de Flávio Tavares, nasceu da procriação do seu pai, o cientista médico Arnaldo, com sua engenhosa mãe Dona Otaviana, na Capital paraibana; criou-se, no dia a dia, no curso mais do que particular do seu genitor Professor Arnaldo Tavares, sobre paisagens, bico de pena e retratos, quando também foi instruído pela sabedoria pictórica do mestre amigo Raul Córdula e do saudoso artista plástico Hermano José.
          Loquaz, fala pelos cotovelos e também trabalha. Mas, quando bate papo, diz sobre tudo e sobre todos, levando-nos à imaginosa galeria, à divertida ópera ou à comédia da nossa sociedade. Enfim, é gostoso estar numa roda de conversa com Flávio. Por isso, tem tido pouco tempo a tantos convites, sempre alegando estar viajando a Maceió, terra da sua sogra, mãe de Alba. Ou preso em casa, entre escadas, andaimes e cavaletes, providenciando a encomenda de um grande painel. Ele pinta em tudo: pano, madeira, papel, tela, pedra, e até em pedaços de árvore, de telha, ou de velhos e enormes tijolos achados nas escavações, como o dos jardins da Academia Paraibana de Letras, em que me presenteou um expressivo rosto de uma bela mulata, com brincos, colar, batom e tudo...
          Agora, depois de inúmeras exposições nacionais e internacionais, apresenta A Linha do Tempo, onde dá forte e enérgica sacudida na nossa história, traduzindo, como se fosse na linha do tempo, em lindas cores e traços, a angústia política que todos nós sofremos. Conhecedor da História da Literatura e da Pintura, inspira-se na Divina Comédia, no Rio do Esquecimento ou Rio Lete, na Barca de Caronte, no cachorro Arcus, nos banquetes e tribunais da vida, no contraste de luz rembraniano, retratando exploradores e explorados, perseguidores e perseguidos, julgadores e julgados, aparamentados e descamisados, castas e párias, corruptos e honestos, enfim, a atual realidade brasileira. Visão que desagrada os da rive droite (margem direita) e agrada os da rive gauche (margem esquerda) do Rio Sena. A unanimidade tenha paciência e compreenda que o artista, que compõe, canta, dança, escreve, teatraliza, esculpe e pinta, goza liberdade ad absurdum para fazer aquilo que sente...    
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 31/08/2018
Alterado em 31/08/2018

Música: Splendore Di Venezia - Rondo Veneziano

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php