Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                         A perseguição perseguidora

         Redundância de termos - não! -, há gente que se considera perseguida ou perseguido, procura se cercar de uma avalanche de perseguições, vê perseguição em tudo, chamando esse fantasma para si. E se acontece uma, essa dá cria a milhares no seu imaginário, como se fosse a multiplicação de vírus ou bactérias perseguidoras. Ao andar na rua, pensa que todos, sem exceção, estão a censurar-lhe, e logo pensa que está, no mínimo, desarrumada ou desarrumado. E por isso, entra num WC com um espelho para ajeitar o batom ou aprumar o bigode, e quando sai, sente-se espiada ou espiado, dizendo para si: “estão pensando que fui ao banheiro para fazer coisa mais grossa”; como isso não fosse, para todos, coisa muito natural. Porque o perseguido ou a perseguida transforma tudo que é positivo em negativo, desde que o que imagina seja contra si.
          Nos restaurantes ou nos salões de festa, ao ver alguém cochichando, logo acha, na leitura labial, o seu nome em jogo; também sofre com as risadas, significam deboches à sua pessoa, e se escuta gargalhadas, conclui que o deboche atingiu o nível de escárnio, retirando-se da constrangedora ambiência por não suportar tanta zombaria. Pior é para quem acompanha a pessoa que sofre de tal patologia; ou também se você, caro leitor, é tido como um contumaz perseguidor.
          Quanto infeliz seria um coelho que, na mata, tivesse a imaginação de estar, constantemente, sob a mira do caçador. Sempre ao olhar para frente, de lado ou para trás, logo percebesse o vulto do atirador, apontando-lhe o rifle. Com certeza, dir-se-ia que os animais, mesmo fora da nossa sociedade, descrita na Comédia Humana, de Balzac, também podem ser acometidos de paranoia. Como se livrar dessa terrível e angustiante caça? Talvez a perseguida ou o perseguido deixar de perseguir a perseguição; desmagnetizar, na sua cabeça, o imã que atrai para si tais malefícios... Não somente as religiões e as ideologias maquinam perseguições, não precisa ser partido; uma pessoa só, contra si mesma, pode construir esse inferno.

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 14/09/2018
Alterado em 14/09/2018

Música: Tristesse - F. Chopin

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php