Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


           El País, a CNBB, o ódio e os preconceitos
 
          Aconselhou-me Gonzaga Rodrigues a ler o editorial do jornal El País, desse dia 10 próximo passado, que se somou a vários jornais da imprensa internacional, para analisar que o Brasil vive o mesmo clima que aconteceu na experiente Europa, quando surtiu uma “onda fanática” em torno de um candidato a “salvador da pátria”. Indo às palavras: um só não salva a pátria, há de sermos todos unidos e sem exclusão... Tal editorial comenta a França, ameaçada por essa onda de fanatismo, em 2002, diante do perseguidor das “minorias”, Jean Marie Le Pen, proclamando-se messias para aquele momento. Mas, a classe média reviu todo o seu histórico político; os tempos do fascismo na Itália e do nazismo na Alemanha; também não menosprezou as ditaduras de Franco na Espanha e a de Salazar em Portugal. Então, decidiu evitar remendos e atalhos, usando a força do voto para escolher o melhor à democracia.
          Nesse sentido, a lúcida Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, diferente de algumas igrejas que determinaram aos fiéis o candidato beltrano, não abraça algum partido, apenas, em nome da liberdade, admoesta os cristãos a não votarem em quem contradiz princípios cristãos. Ao primeiro turno, a CNBB pregou o voto contra os “discursos de ódio e violência”, contrários aos evangelhos do amor, da bonança, da serenidade e da paz.
          E agora, ao segundo turno, a CNBB nos alerta à escolha do candidato que mais ajude a “preservar e não a destruir os sistemas democráticos”, enfim, que nos assegure a democracia. Os bispos negam a qualquer candidato, seja preparado ou despreparado, a pretensão de se arvorar como messias: “Não podemos votar com o coração cheio de ódio, nem pensando que vamos mudar o Brasil de uma hora para outra: não existem salvadores da pátria, mas uma democracia que precisa ser permanentemente construída”. Vale o seu voto, caro leitor, para que aconteça, sem uso da força, o pensamento do filósofo humanista, Alceu Amoroso Lima, em O Problema do Trabalho: “A democracia é um regime de convivência e não de exclusão. Baseia-se na liberdade, como meio de chegar à ordem”. Para acabar o maquinado ódio, o candidato desfaça os preconceitos; e o eleitor, o comportamento.

         
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 11/10/2018
Alterado em 13/10/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php