Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



                                       Simplesmente, a República

          Foi assim que os senadores derrubaram Júlio César, taxando-o de rei, no final do período republicano de Roma Antiga: “Ele quer ser rei”; contrapondo-o à figura de um chefe de Estado democrático, republicano  ou pondo-o na forma de líder de  uma monarquia absoluta e arbitrária, quando a “res publica” já vinha sendo fruto depurado das experiências da então vida pública: a república era pública, coisa amada... Pelo boato, de ouvido a ouvido, como se fosse o “fake-news” de hoje, tentaram desmanchar o prestígio popular de Júlio César até se atingir o ódio para assassiná-lo em plena Sessão do Senado, tratando-o como “não republicano”. Cultivaram o ódio, armaram-se, e César, apunhalado por quase todos os senadores, surpreendeu-se com o golpe dado pelo próprio “filho adotivo”: “Até tu, Brutus”?
          Dessa histórica lição, restam-nos o valor da República e que alegaram como motivo da morte ele tentar deixar de ser republicano; e também que a “mentira política” é extrema e duplamente degradante: a quem a pratica e a quem é sua vítima. Depois de maquinada, divulgada aos quatro ventos, dá trabalho a ser desfeita, talvez diminuída, se a verdade contrária for imensamente maior do que a mentira propalada. César galgou os degraus do sucesso político graças aos seus propósitos populares e republicanos. Não é por menos que, nos dias de hoje, os poucos bons políticos definem seus compromissos com o povo como sendo caminhos a um Estado republicano: acabar a política a serviço de um e esse um, a de poucos, para muitos se dedicarem a serviço de todos.
         Simplesmente a República é a apurada consequência da “politeia” grega, dos tempos da República do filósofo Platão e definida pelo romano Cícero como sendo desejo do povo, em conformidade com o bom senso garantido pela Justiça, como lei comum, para que se plenifique, política e republicanamente, o Bem Comum, tão dito ser esse a  finalidade da política por Tomás de Aquino e dever cristão, pelas encíclicas da Igreja. Não basta dizer que houve a “república romana”; que se chegou à “République” da Revolução Francesa; tampouco que o “commonwealth”, convicção da maturidade política entre as nações, idealizou o fim da tirania, proclamando democracia, direitos humanos, livre comércio sem boicotes internacionais e, consequentemente, a paz mundial; ainda, que a “Republik” deu fim aos “reichs” germânicos. Mas que, entre nós, além da sua proclamação, haja a República e que seja ela nacionalmente brasileira.
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 14/11/2018
Alterado em 21/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php