Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                               
                                                                               
                     A cidade, a cidadã e o cidadão



          Ser pilarense, itabaianense ou pessoense não é um título, é uma vida. Pode haver vida sem título, mas como se reconhece ou se explica um título sem vida? Seria como uma garrafa, com rótulo, mas vazia, solta num imenso mar. O conteúdo é o que dá significado ao título, como a substância, aos entes, às entidades, sejam essas denominadas mitológicas, autárquicas, sociológicas ou históricas.
         Sonhando um pesadelo, a cidade parecia estar vazia. Cheia de ruas, de becos, de casas, de prédios desabitados, de carros, de ônibus, de trens e de comboios sem passageiros. A natureza ainda vivia... As águas da Lagoa estavam silenciosamente paradas; somente o rio corria, também o vento, assobiando pelas frestas das velhas portas e janelas, e fazendo as folhas de algumas árvores centenárias se movimentarem. Eram apenas coisas que faziam parte da urbs; coisas urbanas, como o esgoto, os abandonados transportes urbanos, as igrejas sem rezas, os reconhecidos logradouros, coisas deixadas, sem vida, que se inferiorizavam no meio da ainda verde natureza.
        Agoniado pesadelo, sem distância um lugar macabro; a cidade estava vazia: nenhuma mulher para o mundo das crianças, tampouco alguma criança para o mundo dos adultos, sequer um experiente idoso para nos contar o que teria acontecido. Se houver, aonde irão as vindouras gerações? Seria uma cidade vítima de tão "desejadas" armas ou talvez de catástrofes; porventura um povoado coletivamente deserdado. Mesmo dormindo, aparecia um estranho convencimento: sem gente, não há cidade; aquilo era apenas um amontoado de coisas fabricadas ou construídas. Havia a urbs, faltava a civitas; a urbs é a estrutura, a civitas, o organismo. Para haver cidade, fazem-se necessários cidadãs e cidadãos; e para serem felizes, comportando-se coletivamente como gente daquela cidade, libertando-se do “homo lúpus homini”, de Plauto; simplesmente sendo o povo povoando o povoado, no exemplo e pureza da “primeira comunidade cristã” (Atos dos Apóstolos, 4, 32 a 35). Ou vivenciando o que nos alerta Thomas Merton: “Homem algum é uma ilha” ...   

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 24/11/2018
Alterado em 24/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php