Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                           
                                             Quem ri chora

          O óbvio, muitas vezes, precisa ser dito. Foi assim que Aristóteles pensou revelar uma antiga “novidade”, ele já tinha nascido com ela: “O homem é um animal risível” ou que, sobre o qual, até o prezado leitor ri. Afinal, “todas e todos” temos os músculos “risórios de Santorini”... Quando ele falou “homem”, quis dizer também mulher; sobretudo elas, acredito eu, por terem mais sentimento do que os machos, riem e choram mais do que os homens, ganhando pra si quase toda a fama de chorar.
          Por isso, Gonzaga, seguindo os costumes de Alagoa Nova, perguntou à Dona Antonina: “Mãe, homem chora?” Ela, tendo convivido com o filho nas horas de dor, respondeu pelo ‘bom senso’: “Se a pancada for na canela, diz nome feio; se, no coração, chora”. O filho se lembrou que dizia mais nome feio do que chorava, mas que do choro não escapava. Quando Biu Ramos morreu, vi Gonzaga chorando, e Martinho, disfarçadamente, num “vale de lágrimas”. Eles não são daqueles que, para chorar, trancam-se no banheiro; têm a coragem de chorar na frente dos outros; não como Sérgio e Hildeberto, que facilmente enchem os olhos d’água, ao escutar bela poesia. Enfim, quem ri chora, até Lampião, o rei do cangaço, porém fora dos momentos de raiva e de vingança...
          Contou-me o cronista Sitonio que o rurícola Zé de Ambrósio, da região do Seridó, no semiárido, entre Patos e Caicó, nos tempos de seca, fazia espetáculo com seu animal, anunciando, na porteira do quintal: “O cavalo que ri”. Logo se ouvia a frustação dos pagantes: “Ele só alevanta os beiços”. Arrogante, o dono do cavalo prestava conta: “E mostra os dentes...” Nunca procurei verificar o que dizem por aí: As hienas riem... Mas, desconfio tanto delas como do cavalo de Zé Ambrósio. Os homens, mesmo os ainda metidos a macho, choram; sobretudo como eu e Gonzaga, quando, emocionados, recebemos pancada no coração. Ou, assim como nos despertou Aristóteles: sempre rimos, quando bate e bate o coração.

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 28/11/2018
Alterado em 28/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php