Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


         
                        O desejo e suas perturbações

 
          O desejo, de modo mais superficial, é objeto de quem deseja ou de quem sente a vontade de possuir ou de ser alguma coisa; enfim de gozar o contentamento ou alegria da realização, alimentada pelos seus relativos impulsos. No campo do ter, o ânimo desse sentimento é a ambição, e há quem seja ambicioso sem limites, permanentemente sofrendo de contínua aguda avidez e consequentemente de uma mortífera ansiedade. Então verifica-se que o desejo também incomoda, contudo desejar é inevitável, porque somos todos desejantes. Quando sadio, sua realização é salutar, sobretudo quando mesmo ardente, ele se faz por ação moderada.
          Há circunstâncias que favorecem o aumento do desejo, levando o desejoso ou o desejante à ansiedade ou à sofreguidão de atitudes abruptas. Ele quanto mais individual mais perturba até à sua perseguida realização ou à desistência do sofrido desejo; e lá vem a frustação ou o desencanto. É quando se constata a impossibilidade de se conseguir o que é desejado; melhor até nunca ter havido desejado; arrependido, embora possívelmente consciente de que a vida sempre seja cheia de desejos... Em Roma, tinha um amigo cearense que era apaixonado por Claudia Cardinale. Então, eu lhe fui sincero: Desista, jamais você chegará lá. Ele me ouviu e parou de sofrer...
          Quando o desejo é individual, ele é mais realizável, mas, ao mesmo tempo, acarreta maior angustiante sofrimento, até o gozo da sua realização, sobretudo a quem tem só para si os objetivos e o prazer da sua realização. Mas, quando o desejo é consensual e chega às raias do coletivo, ele perturba menos e aguarda, com maior paciência, a sua consecução. Verifique-se como é demorado o desejo do injustiçado povo; mesmo assim ele continua esperançoso, desejando. Nessa distribuição de consistente vontade, há várias dimensões e extensões do desejo: o desejo do leitor; o do outro e o dos outros. Sempre a força do desejo é que ele será para o bem de quem deseja. Quais seriam? Mais apropriada é a simples indagação do diabo, em Diabo Amoroso, de Jacques Cazotte: “O que queres?” Ou caso for ao outro: o que ele quer? E se for ao desejo coletivo: o que queremos? Com liberdade à resposta, crescem o imaginário do sujeito ou todas as nossas fantasias possíveis, o que não deixa também de causar perturbação...   
          

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 07/12/2018
Alterado em 08/12/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php