Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                     
                               Matam porque matam


           São mortes revoltantes contra homens do campo, desprotegidos e desarmados, na histórica luta pacífica em prol dos direitos alheios e das famílias agricultoras. O braço armado e endinheirado mata por desdém, por algum vintém. Não só no Nordeste estão os “marcados para morrer”. Os mandantes, que maquinam com os capangas para eliminarem e calarem a boca desses injustiçados, são conhecidos. Se eles estão confortavelmente no Sul, são procurados no Norte, levando-se esses casos ao esquecimento, como acontece com o de Marielle.
          É o enredo de sempre, de repetido retorno: eles ameaçam, têm armas e matam. Fato cruel, mas que vem se tornando ‘normalidade’ e consequentemente ‘banalidade’; como, rindo, os mandantes justificassem: morrem porque morrem... Nenhum mártir, como Margarida Maria Alves e Chico Mendes, foi morto sem promessa de morte. Contudo, caçados como fazem aos pássaros, suas vozes não se silenciam, suas ideias cantam, voam e se reproduzem, como eco entre as montanhas, subindo aos céus e espalhando-se pelas matas. 
          Quem pensa como os criminosos, potencialmente, age como os assassinos. Ser militante para cultivar a terra improdutiva não é crime, mas um sonho antigo, desde quando a Terra não tinha dono. E assim lutam outras profissões: o sapateiro para fazer sapatos; o médico para curar; o motorista para dirigir; o pedreiro para construir; o militar para manter a ordem e a paz, e o agricultor para plantar. Esta crônica se associa aos nossos dirigentes maiores, o, em exercício, e o eleito, para manifestar repúdio. Dignos e corajosos, Ricardo e João dão passos iniciais às ações da Justiça com suas palavras: “O Governo do Estado vem lamentar a execução de dois militantes do MST na Paraíba(...). E informa que o Governador Ricardo Coutinho determinou aos Órgãos de Segurança e Defesa Social rápida e rigorosa investigação e responsabilização dos culpados”. E segue João Azevedo: “Expresso minha completa indignação e lamento profundamente a execução de dois militantes do MST, José Bernardino da Silva e Rodrigo Celestino, metralhados covardemente no Acampamento Dom José Maria Pires”. Os Órgãos do Ministério Público manifestaram protestos de idêntico teor. Aos seus 70 anos, desrespeita-se a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Com certeza e por justiça, esses assassinados, como tantos outros, não morreram em vão, pois não morreram porque morreram...            
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 13/12/2018
Alterado em 16/12/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php