Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                 Natal: o bom é imperecível?

          Questiona-nos o Natal sobre o porquê do que ele nos propõe: renascermos, não perecermos, por ser ele o nascimento de Jesus Cristo. O bom é imperecível quando for proveniente da infinitude da bondade de Deus, quando for um pedaço divino. Tudo que for parte Dele não perece. Contudo, vivemos supervalorizando as coisas materiais, idolatrando a luxúria e seus passageiros pertences. Isso, além de um fenômeno social, tem por trás uma ideologia, com seus sacerdotes, concretizada nas nossas ações, nos nossos usos, virando costume. Prova disso é que o consumismo tem sido tão forte como uma prática religiosa. Por isso incomoda falar que Jesus Cristo nasceu pobre e exaltou, no Sermão da Montanha, a pobreza como uma bem-aventurança. Francisco de Assis e Madre Tereza de Calcutá compreenderam e demonstraram que tal felicidade é possível.
          A civilização do consumo vive no mundo dos descartáveis; tudo se fabrica para, rapidamente, se quebrar; sem durabilidade, coisas são produzidas apenas com a aparência de boas, mas que ligeiramente se tornam ruins, acabam-se porque são de existência provisória. Isso é a eiva do consumismo que nos leva também a perambular à procura do que comprar, nos shoppings, supermercados e alhures, o que não se precisa. Tal ilusão afeta nossos valores, fazendo-os “perecíveis”: deixam de fundamentar a virtude para dar espaço ao vício; a ética, para sugerir a corrução.
          Jesus Cristo nasceu, nasce ou se oferece a renascer em cada de nós para subverter essa ordem. Sua revelação não pode se adequar à “moda”; porque ser cristão não é como o modismo de uma roupa, mas vida à perenidade, como a do espírito, do seu corpo. Há quem comemore o Natal como a Festa das Compras: corrompendo tal sagrada circunstância, correndo ansiosamente para adquirir o que não necessita. A esse, a mensagem do Natal desconforta; prefere submergir no mar do consumismo a atravessar oceanos no destino do Imperecível; ou, enquanto jarro quebrado, jogar-se ao lixo dos descartáveis, a recuperar-se, nesse Natal, pelas mãos do Oleiro.

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 20/12/2018
Alterado em 20/12/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php