Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                Carlos Romero, pássaro sem amarras 

          Vi o confrade morto, assim me tinha avisado a APL, mas, em sua casa, encontrei-me com o imortal vivo. Parecia pronto para caminhar; para sorrir como habitualmente fazia; sem qualquer arrependimento porque pouquíssimo teria andado para voltar atrás. Bem vestido, de óculos, o chapéu ao lado, deitado, sereno, como se esperasse a ordem do seu Mestre: Carlos Romero, “levanta-te e caminha” e depois, dirigindo-se a Germano, Carlos e Alaurinda: “desligai-o, e deixai-o ir”, para voar livre, como um pássaro sem amarras.
          A sabedoria chinesa, vinda do Oriente, diz que “há três coisas que nunca voltam atrás: “a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida”. Carlos nunca lamentou oportunidade perdida, porque ele a objetivava para amar os outros. Assim, sempre sentiu suas vibrações espirituais; seus desejos “querentes” e queridos do corpo, no entanto, estava ali, leve como a imaginação que sempre nele construiu o poeta, o escritor e o exímio cronista. Seu semblante tinha a áurea de iluminado, novo, original, ético, como se tudo fosse ‘poésis’ , e ela  perguntaria: Estaria ele descendo dos céus à terra ou subindo da terra aos céus?
          A sua sabedoria sempre nos inspirou o olhar retrospectivo da necessidade da nossa existência que veio ao mundo sem escolha: não pedimos para nascer e nascemos; paradoxalmente, pedimos para não morrer e morremos. Carlos merecia a vida que lhe foi dada, porque, por gratidão, ele a doava ao próximo mais desconhecido que lhe fosse. Ao cultivar assim seu olhar prospectivo diante da finitude do corpo, nutria-nos de um desejo infinito de vida a ele que partia, fazendo-nos filosofar ser a morte apenas uma experiência teleológica para uma viagem prazerosa e feliz. É nesse diapasão que nos toca a força transformadora das  suas crônicas. Carlos Romero nos entusiasmava à vida. Bebia, da fonte dos evangelhos, água pura, cristalina, o que nos livra da sede e oferece-nos o maná do saber para discernir que a vida não se limita entre o nascimento e a morte, segue além, perseguindo o infinito. Com fé, era um entusiasmante otimista, apesar de ter convivido com o desafio dos desejos. O coração de Carlos Romero não parou, sobretudo seu amor; ainda vive para ser mais feliz, numa felicidade mais perfeita. A escuridão da morte foi apagada pela luminosidade do seu espírito.


 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 09/01/2019
Alterado em 12/01/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php