Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                        Notre-Dame, la nôtre...

    Lágrimas de tristeza ao verem, daqui da Paraíba, no além mar, um dos nossos templos da cultura e da fé em chamas; o fogo queimando o teto dos corredores escuros, por onde caminhei, transportado à meditação por aquela excepcional sagrada ambiência; pisando o mesmo chão de pegadas seculares e de vultos históricos. Lá estava, ora por telefone, ora por televisão, a catedral vazia, mas cheia de santas e de santos, de espíritos crentes e descrentes torcendo que aquele abrigo de esperanças não desabasse. Foi quando pensei que também meu espírito, veloz mais do que a luz, voltasse à Paris a levar minhas gotas d’água para apagarem o incêndio. Teria ele já queimado as rústicas e monásticas madeiras ou os belos e esplendorosos vitrais? A obra de Victor Hugo, O Corcunda de Notre-Dame, é um hino à antiga catedral. Com certeza lá estaria o Corcunda se protegendo, e a ajudar os bombeiros contra aquele fogo infernal da “divina comédia”, aos poucos, transformando tal paraíso num ardente inferno de Dante.
    Pensei também que dizem ser o fogo luz; como o da fé nas velas do batismo; o da gratidão nas promessas dos agraciados; o da alegria no Ciro Pascoal, onde se escrevem alfa e ômega, e, entre estas primeira e última  letras do alfabeto grego, a anunciada Boa Nova: Cristo Ressuscitou! Ou seria Ele o fogo ressuscitado expulsando os “vendilhões do templo”? Quando morei em Paris, vi camelôs vendendo droga, “souvenirs” profanos, figurinhas e filmes pornográficos por ali; havia de tudo à venda no limiar dos esculturados portais daquele santo lugar. Poderiam ser as chamas labaredas chicotes para expurgar o recinto à Semana Santa? Quanto mais se acendia o imaginário, mais a realidade queimava a casa sagrada, seu teto, suas torres sobre o grito lamurioso dos que estavam a observá-la, da margem do Sena. E as notícias explicavam que apenas se tratava de um acidental desastre.
    A obra de Victor Hugo, o Corcunda de Notre-Dame é um louvor à antiga catedral. Muitos desses lugares de oração cresceram nas suas denominações: de capela à igreja; de igreja à matriz; de matriz à catedral; de catedral à basílica. Mas, a Notre-Dame, por si e  por força da História, sempre se chamou de catedral; catedral desse binômio querido, orgulho da terra francesa. Victor Hugo, em Notre Dame de Paris – 1482, publicado por Ernest Flamarion Éditeur, universaliza essa admiração com imagens poéticas - traduzo: (...) “E a catedral não era apenas a sociedade, mas também o universo, mas ainda assim toda a natureza. Ele não estava sonhando outros “espaliers” como vitrais ainda em flor, outra sombra do que a pedra de folhas que florescem no comando de aves no tufo de capitais saxões, outras montanhas que as torres colossais a igreja, de outro oceano que Paris, que sussurrava a seus pés.” Quando desejo subir as estreitas escadas do campanário, revejo, pela enésima vez, O Corcunda de Notre Dame, sigo os passos de Quasimodo, vejo com os seus olhos a beleza de cada ângulo, de todos os cantos do seu habitat e a delicadeza transformadora da bela e sensual Esmeralda. Mas, detenho-me também na magnitude da catedral, pontificando o arrondissement onde se originou a Sorbonne, e que, amada pelo ocidente e pelo oriente, preservou-se do fogo que, não sei porque, tentou destruí-la, numa fogueira cruel. Depois de algumas queimaduras de alto grau, ela ressurge viva, em pé, altiva como os mártires da Inquisição, a se recuperar, no seu estilo gótico flamejante: arquitetura que aponta para os céus.
         

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 17/04/2019
Alterado em 19/04/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php