Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                      O Dia do Trabalho sem trabalhar

          O Dia Trabalho, numa curta conversa entre meus pequenos netos Lucas, João Vitor e Mateus, foi interpretado como o dia de trabalho, justamente em que se deveria trabalhar. Trabalhar é a ação social mais antiga do homem e da mulher ou da humanidade. Não existiu, antropologicamente, outra atividade tão primitiva como a da divisão de tarefas, logo seguida, culturalmente, pela linguagem. Trabalhar é uma atividade socialmente pujante, cuja ampla finalidade é a de assegurar a nossa sobrevivência, inclusive na tarefa de transformar a natureza em cultura. Assim, sua finalidade precípua está no sentido de cada profissão: O médico trabalha para curar; o professor para ensinar e o arquiteto e o engenheiro para construírem. Contudo, há quem pense, de modo obstinado, movido pelo egoísmo e pela ganância, que se trabalha para lucrar ganhando dinheiro. Assim, quando tais indivíduos conseguem o dinheiro sem algum esforço, eles não trabalham, pois alcançaram seu objetivo.
          Muito se vê isso no serviço público por parte daqueles e daquelas que, por apadrinhamento ou concurso, querem “um emprego e não um trabalho”, mas para fazer nada, tampouco enxugar gelo, desejam apenas o bônus sem o ônus, sem a árdua ação do trabalho. Esses tipos não comparecem ao local de trabalho, caso contrário, chegam atrasados apenas para assinar o ponto e no final do mês conferir o contracheque. Esses, mesmo praticando tal ato de corrução, com o dinheiro público, hipocritamente criticam os corrutos; reclamam sobre o baixo salário; todavia, devem eles receber do dinheiro público o pagamento de que? Isso respinga e desonra o funcionalismo público que é atacado pela doutrina da privatização, contrária aos justos, sociais e bons serviços organizacionais que pode prestar o Estado, cujo quadros são, cada vez mais, carente do espírito de servir, o que foi tão vivenciado por pessoas tão universalmente reverenciadas que adotaram protótipos de mulher e de homem público. E como esses exemplos, não há poucos, eu os conheço na nossa cidade, até pessoas que não remuneradas, assalariadas, que se gratificam pela virtude e pela felicidade da bem-aventurança de servir aos outros.
          No mundo ganancioso do lucro, falar de trabalho espontâneo e financeiramente gratuito é um insulto. Tais “insultados” são, geralmente, aqueles que não batem prego em estopa sem ganhar dinheiro e ainda sempre reclamando que "ganha" pouco. Ou são patrões que, deitados numa rede, ditam ordens aos trabalhadores, com injustos salários ou entregam tal responsabilidade aos seus delegados, como o faziam aos “capitães de mato” para vigiarem e até chicotearem os trabalhadores no campo. Por essa mentalidade, tanto no campo como na cidade, ainda acontece o “trabalho escravo”. Nessa circunstância, é incompreensível se comemorar o dia do trabalho. Tal comemoração, ironicamente, torna-se sempre um ato de protesto. Também é angustiante e constrangedora essa festa, quando imensas multidões, em torno de treze milhões de desempregados, procuram, humilhados, diariamente, de porta em porta, um lugar para trabalhar, quando deveriam ser procurados,  e voltam para casa para abraçar filhos e filhas, sem o pão, de mãos vazias...
          Exatamente o econômico transforma o trabalho em objeto de justiça ou de injustiça social. Tanto é assim que sua comemoração se originou, em 1886, quando operários norte-americanos organizaram uma paralização, no dia 1º de maio, para reivindicarem melhores e mais justas condições de trabalho. Em consequência desse movimento, os sindicalistas anarquistas, mártires de Chicago, Albert Parsons, August Sples, Adolph Fischer, George Engel e Louis Lingg foram sentenciados, sem provas, à forca, sendo que este último, antes, não suportando tal injustiça, suicidou-se. Esse exemplo reivindicativo e de consequência revoltante, espalhou-se pelo mundo, especialmente pela Europa.
          O Dia do Trabalho não deixa de ser uma comemoração ideológica. Por isso, em alguns países, ela é evitada. Nossos patrícios portugueses só tiveram de volta essa comemoração com o desaparecimento do ditador Salazar e com a vitória do “Revolução dos Cravos”. Já os Estados Unidos adiaram a data para a primeira segunda-feira de setembro para não se relembrar o histórico maio de 1886 e também para não se festejar o trabalho no mesmo dia dos países socialistas. No Brasil, tudo se iniciou em 1917, sob influência da Revolução Russa e desses movimentos sociais noutros países e também da Greve Geral dos trabalhadores brasileiros, cuja força política  levou o Presidente Artur Bernardes a decretar o Dia do Trabalho, tendo sempre seu apogeu festivo durante a “era Vargas” (1930 – 1945), quando o estadista Getúlio Vargas muito valorizou os direitos trabalhistas a se verificarem na elaboração da CLT, hoje reescrita ao contrário...  Só merecem o Dia do Trabalho aqueles que trabalham e os que lhes é negado as justas condições ou o direito de trabalhar. Quando se nega a alguém o direito de trabalhar, nega-lhe também o de comer, o de morar, o de se vestir e o de sustentar a família; ultraja-se ou ofende-se gravemente a dignidade humana. Ninguém deseje sofrer tamanha  indignação. 
              
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 05/05/2019
Alterado em 06/05/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php