Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                 Opiniões e atitudes que deseducam


          Há opiniões que educam, como as inúmeras que afirmam: a solução para o Brasil é a educação. E diante de tanta violência, em todos os sentidos, reiteram: sem educação, tudo vai piorar. Isso é voz universal, inclusive daqueles que, ao se candidatarem, repetem que “tudo fará pela educação” ... Porém, eleitos, nada fazem pelo ensino público; pior, pioram uma realidade educacional que deve ser, sem limites, melhorada; ou deixam a educação como um barco à deriva, estragando-se, sem vela, no alto mar. Como é o caso das recentes declarações que os “ministros da educação” têm dado sobre educação e sobre o ensino, completamente estapafúrdias em relação à filosofia, à sociologia e às depuradas teorias educacionais. Faltam recursos e meios à educação, e acabamos de saber de drásticos cortes nas verbas para educação, o que foi “justificado” pela diatribe e franqueza ideológica, que tenta escamotear e desviar o real assunto: “não é corte, é contingenciamento”; o que, em ambos os casos, significa perda de recursos, mais do que imprescindíveis à educação. Nesse sentido, tais atitudes deseducam, e vislumbra-se um abismo grande, em termos de perspectiva e de pressuposição. A importância da educação não pode ser diminuída pelas limitações e pelas combinações econômicas dos dirigentes, cujas cabeças estão somente cheias de economia. O que relembra as palavras de Hamlet, de Shakespeare: “Economia, Horácio, economia! Serviram-se os pastéis do enterro, mesmo frios, nas mesas do noivado.”
          Tenho feito análise de conteúdo nas palavras daqueles que querem direcionar o ensino exclusivamente à tecnologia, sem qualquer ensino humanista, sem elementos que induzam o aluno a pensar, a refletir, antes de qualquer ação. Para o teórico “economês”, a escola deveria ser uma indústria de mão de obra a serviço da produção e do lucro, ignorando que a educação coletiva deve preparar a juventude não só para a fábrica, mas, também, para a cidadania a serviço dos outros e do bem-estar coletivo. Quando alguém comete um crime, talvez não o cometeria, se tivesse sido educado por valores e conhecimentos que não advêm das ciências tecnológicas, mas das ciências humanas, como é o caso da ética, dos valores morais e de tudo que envolve a cultura. Enfim, vale dizer que, na educação, as ciências humanas sejam mais exatas, concordo; porém que as exatas, sejam mais humanas... Sobretudo que as crianças, os jovens e os adultos sejam educados, nunca parcialmente, mas sempre na sua inteireza.
          O Governo do Estado, enquanto “segue o trabalho”, pelo programa Gira Mundo, vem mostrando a eficácia, a estudantes e professores, do que está acontecendo nas escolas e na sociedade de países que tomaram, com seriedade, o lema “educação é desenvolvimento”; e onde nada é negado às escolas e ao ensino. Logicamente, não existe efeito sem causa. Ainda, a causa sempre se prolonga no efeito que ela produz; até nas boas ou más opiniões e atitudes sucede esse fenômeno. Nas manifestações contrárias aos cortes de verba para educação, visualizei mais estudantes do que professores; mais filhos e filhas do que pais, que deveriam ser, como os docentes dos seus filhos, educadores... No entanto, tais “educadores”, sem a consciência política às tais exigências, não foram educados, por sua vez, que a educação é uma necessidade prioritária à inteireza da nossa formação e sobretudo a uma feliz organização social. Verdade é que educar esteja acima de tudo e na conscientização dos próprios estudantes; e ainda que os críticos aos educadores considerem nossas autoavaliações como aperfeiçoamento do ensino e jamais como força de dissolução do nosso entusiasmo de lutar por uma educação, não somente da alma, tampouco somente do corpo, mas da educação inteira, que ensine prática e teoria; que transmita experiência e sabedoria. Basta de deseducação !       
          
                 
www.drc.recantodasletras.com.br
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 17/05/2019
Alterado em 19/05/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php