Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                                                                                                    
                        Entre o celular e a argamassa

             O trânsito parou o meu carro bem ao lado de uma parede pela metade. Na calçada, um caixote de argamassa, duas colheres de pedreiro, um prumo; e, um sentado no chão e o outro de cócoras, dois pedreiros, cada um olhando, digitando o celular na mão esquerda. Não era uma espiada, mas uma conversa longa que parecia ser bate-papo de WhatsApp, com vídeo, foto e tudo. Nada sobre a parede que construíam, que paravam de construir, e que construíam e paravam.  Um parecia ser reciprocamente chefe do outro, que simultaneamente se autorizavam, de dez em dez tijolos, uma espiada no WhatsApp, como “pausas” para o descanso, ao cansaço que não havia. E nenhum mestre de obra para encorajá-los: “Vamos, gente, temos de acabar a parede”.  Os carros avançaram, contudo pouco eles perceberam que estavam sendo olhados, naquela atual “normalidade” de trabalho.
             Então, lembrei-me de O Operário em Construção, de Vinicius de Moraes, quando declamava aos meus dezenove anos. Poesia longa, sobre a árdua jornada daqueles pedreiros que não tinham outro tempo, senão o de trabalhar, “como se fossem máquinas”. Talvez desconhecessem que “eles desconheciam esse fato extraordinário: Que o operário faz a coisa e a coisa faz o operário” ... O celular, com certeza e naquele momento, repetia-se dessa maneira noutras construções e em muitos restaurantes, igrejas, ônibus, metrôs, e até em cinemas. No próprio tráfego, enquanto o carro para ou mesmo quando ele anda, porque também já existe whatsapp em viva voz, não precisa o motorista escrever, dita e a comunicação está feita, pouco tirando a visão do carro da frente que freou; mas, vez ou outra, uma batida. Aí vem a briga: - “Você estava no celular”. Ao que se responde: - “Eu? Estava desligando e dizendo que não podia atender”.  E assim “la nave va”, em direção ao naufrágio...
            Nessa mídia, o pior de tudo são os assuntos: frivolidades, fuxicos e perniciosas mentiras que receberam o nome estrangeiro de “fake news”, úteis até para golpe de estado, campanhas políticas, fins de namoro, se é que ainda existe o namoro; e a rompimentos conjugais, com separações facilitadas por aplicativos. Os assuntos para aquilo só estão faltando um grau... E desgastam-se na circulação da mesmice, o que é comparável à nutrição dos que comem apenas o que conseguem no mangue. Josué de Castro, o famoso autor do “O Livro Negro da Fome”, fala-nos dessa “endogenia”: come-se somente caranguejo; depois de digerido, devolve-se esse bicho ao mangue em forma de fezes que são comidas pelos caranguejos; e a seguir, tais caranguejos, assim alimentados, voltam a ser comidos, fazendo perfeito círculo vicioso: caranguejo, nutrição, fezes e essas, novamente, mais uma vez na caranguejada à água e sal. Acontece o retorno: o digerido volta a ser comido...
          Tal costume, isto é, de se ficar pregado no celular, já é patológico e existem consultórios para tratarem dessa patologia. Nesses ambientes, proíbe-se o uso de celular, o que é ostensivamente desobedecido pelos clientes... Há escolas que também proíbem o uso do celular na hora da aula, quando persistentes professores explicam o que ensinam, parando apenas para o celular... Mas, alguns pais, por pressão dos filhos, protestam: “Isso é uma falta de liberdade!” E muitos casos são levados à Justiça. Quem pensa e reflete constata que estamos num titanic velozmente correndo para se chocar contra um grande iceberg, em profundo oceano. Dizem até que se teria previsto tal tragicidade, o contrário do proverbial Chacrinha: quem não se comunica se trumbica. O celular vem invertendo, tornando muita gente “trumbicada”. Enfim, o genial físico e filósofo Albert Einstein nos admoestou que esses aparelhinhos, sendo um dos inseparáveis dedos da mão, caracterizam-nos com anatomia de tolo, apaixonados por tal idiotice ou indivíduos da futura humanidade sem pensar, sem se comunicar, sem interagir, sem evolução do pensamento: "Eu temo o dia em que a tecnologia vai ultrapassar a interatividade humana, o mundo terá uma geração de idiotas".     
                  


 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 07/06/2019
Alterado em 09/06/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php