Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                           Que viva a Ancine! 

          O Fórum Nacional dos Secretários de Estado da Cultura, legítima e veementemente, posiciona-se em defesa da Agência Nacional de Cinema - Ancine, unindo forças que mantêm viva e fazem o crescimento da sétima arte, no momento em que o mundo do cinema, no nosso país, sofre graves ameaças, sob o pretexto de um falso e farisaico moralismo e do retorno à arbitrariedade da censura. A História do Cinema corrobora esse fenômeno: sem liberdade, a arte não sobrevive; e, se nasce, não cresce, com certeza, faltar-lhe-á criatividade, asas para o artista voar no mundo do imaginário. Há décadas, o cinema iraniano é prova disso; só se desenvolveu e se destacou, à medida em que foi libertando-se das amarras preconceituosas da religiosidade radical. É nesse sentido que pregam os púlpitos do farisaísmo, incentivando as autoridades que lhes são fiéis a darem fim à liberdade no cinema.
          O Manifesto do Fórum inicia fundamentando legalmente essa prerrogativa como direito dos que fazem a arte, por opção de vida, com as palavras da nossa Constituição: “É livre a expressão de atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”. Ainda continua a Nota do Fórum: “O inciso IX, do Artigo 5º da Constituição Cidadã de 1988 é cristalino, soberano e nos indica o caminho de uma sociedade plena de direitos em sua capacidade de pensar, criar e aprofundar os conhecimentos da ciência e da poética da vida” (...).
          O prodigioso filme Aruanda (1960), de Linduarte Noronha, reconhecido por Glauber Rocha como início do “cinema novo” brasileiro, historiando a cultura quilombola na Paraíba, leva-nos a refletir que podem faltar recursos financeiros para a produção, mas, jamais liberdade ou mesmo liberdade limitada, o que afetaria sua boa realização. Qualquer limite que se imponha à “liberdade de expressão” impede que ela aconteça na plenitude conceitual da sua existência. Graças a essa liberdade, películas de bons roteiros são realizáveis para serem desfrutadas pelo povo. Ao mesmo tempo, dá-se na pintura essa necessidade: o pintor deve ser livre para pintar suas ideias, suas formas e cores da sua escolha para suas imagens, seguindo a sua livre imaginação. Quiçá a Presidência da República, sendo sensível e ouvindo nossos “reclames”, como foi atenciosa aos reclames dos paraguaios para anular o acordo feito com a Presidência daquele país sobre a utilização da Usina Hidrelétrica de Taipu, reveja também estratégias e reformas que alquebram a Ancine. Não somos paraguaios, mas, brasileiros, de uma mesma nação, de uma mesma cultura, que amam o cinema.
         Tudo que aqui se diz e que se propaga é em razão de ser a arte cinematográfica uma completa manifestação cultural que engloba quase todas as artes e goza de grande intimidade junto à sociedade quanto à sua utilização no mercado industrial e tecnológico, sendo, por excelência, também um penetrante instrumento da educação. É seriamente tudo isso e não deixa de exercer o papel como um dos mais procurados meios de divertimento e de lazer, proporcionando-nos conhecimentos de natureza científica e filosófica. É ainda o cinema uma linguagem universal, embora o nosso país, pela sua grandeza, contenha um certo relativismo na cultura. Por isso, ele serve para reunir as mais diferentes regiões, estados e cidades numa só nação, de um só idioma, também de muitos e semelhantes sentimentos. O cinema, feito com liberdade, é um excelente veículo para a formação da identidade cultural brasileira.

         
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 02/08/2019
Alterado em 02/08/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php